quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Parece ter cessado esta manhã
No pico mais elevado
Do entremeio
O lençol ajusta-se ao corpo
E o dia rendilha-se
Entre os meus dedos
_Ao meio.


Oh bendito movimento
Tão jovem quanto seco o galho
Onde pousas incessante
Oh despertar da manhã
Muro onde se regista a cor do tempo
Espaço onde o Inverno se esgueira pela fresta do espelho
O mesmo onde o Verão espreita e eu espero
Oh, movimento bendito
Pássaro ausente.


Repetem-se os gestos
As palavras sufragam-se
No peso redondo do Outono
As jarras enchem-se de crisântemos
E as flores avivam o sofá.
O horizonte perde-se no discurso murmurado
_na quietude do silêncio, abstraio-me para o milagre da luz
nesse espaço, o indisível rasga-se na cumplicidade de dois pássaros:
livres como são os meus sonhos.

IM, Fev de 2010

10 comentários:

  1. Querida Isabel, não sei se é do nervoso miudinho, mas não percebo o que quer dizer com este poema. Não deixa de ser belo, mas..., não sei.

    Beijinhos.
    Fatinha.

    ResponderEliminar
  2. Estou muito emocionada por teres voltado, minha querida Isabel. O poema comento mais tarde.

    A Ema entrou no Jardim Infantil no dia 1 de Fevereiro, e neste momento encontra-se a dormir na minha cama.

    Mil beijinhos com os desejos de muitas felicidades das tuas amigas de sempre, Ema e Teresa

    ResponderEliminar
  3. Fátima e Teresa muito obrigada, fiquei muito emocionada, ainda mais ao saber que a Ema entrou para o Jardim Infantil. Ainda estou muito debilitada, vou aparecendo na medida do possível. Um BEIJO GRANDE às três. Obrigada:)))

    ResponderEliminar
  4. Os telemóveis andam parvinhos... :)
    Entretanto comprei o meu jantar. Depois, lá vim devagarinho, porque para casa o caminho é a subir. De manhã todos os santos ajudam..., é a descer :)
    Mil beijinhos Isabel! Já sabe que eu estou aqui e não me esqueço de si. Só se me desse um ataque de amnésia.

    (eu brinco um pouco, porque é a minha forma de tentar arrancar um sorriso, neste caso à Isabel, que está doentinha, e eu sei como se sofre)

    Mais mil beijinhos = 2.000 «puxa..., são muitos beijinhos :)»

    ResponderEliminar
  5. Ciao cara mia,
    sono felice di incontrarti almeno qui. Ti mando tanto sorriso e forza per superare i giorni difficili.
    Un rande abbraccio e bacini

    ResponderEliminar
  6. Muito escassa em palavras, mas não em sentires, venho só deixar-te um grande beijo, querida amiga.
    no meio dos meus cinzentos, sorri quando te li.

    ResponderEliminar
  7. Tão bonito, Isabelinha, vir procurar-te neste território das ausências e ver-te rodeada das amigas do coração, transformando-o num território das presenças.
    Beijinhos, meu anjinho.
    António

    ResponderEliminar
  8. Chego aqui e encontro esse poema que fala de corpos, de curvas, pensamento e sentimentos. AO menos foi assim que ele chegou em mim, preenchendo os vãos que tenho em mim e logo me perdi com a tarde, com as nuvens e o vento a varrer a cortina que leva calafrios a um corpo abandonado no seu sono repentino e inusitado, tão inesperado quanto esse poema que ficou aqui em mim. Grazie

    ResponderEliminar
  9. Li o teu comentário na Ema, minha querida Isabel, comentário esse, que me trouxe à lembrança aqueles tempos em que mantinhas
    "correspondência com uma criança". Lembras-te?
    Desejo, que estejas de volta com todo o vigor, e que a tua longa ausência pertença ao passado.
    Bejinhos da Ema (que é raro ver desde que está no jardim infantil) e da amiga de longe que pensa muito em ti.

    PS: Aconteceu no Domingo de Páscoa - a Ema é horrívelmente vaidosa, e não gostou nada do corte da franja, e queria mandar-me para o telhado de castigo!!!

    ResponderEliminar